Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CONDOR

O CONDOR

ENTÂO SENHOR

 

 

Que faz sentado na sua solidão.

Já olhou à sua volta?

Quantos mais o abandonaram?

Não seria mais digno admitir que a sua missão falhou e ir-se embora. Ou está à espera de morrer na praia sem honra nem glória?

É teimoso e prefere ser empurrado, ou é racional é dá um exemplo de humildade? Claro que a escolha é difícil, mas a situação foi o Sr. que a criou, anda há dez anos a vencer batalhas contra moinhos de vento e esqueceu-se que o Rocinante é paralítico.

Ah, contou com o acéfalo e não reparou que ele é mesmo isso. Tenha paciência, quem engana e mente, também está sujeito a ser intrujado e enganado. Cozinhou uma receita, provou-a e não gostou, sabia a bispo, e agora tem que a comer sozinho; é o que acontece aos guisados retardados, fazem cá uma azia.  

 

 

Maio vermelho

Post da Responsabilidade de Zé do Cobre

Olá Pequenino

Pensavas que me tinhas arrumado.

Mas que raio á que te passou pela cabeça, se é que a tens.

Começaste uma guerra e eu vou acabá-la, daqui em diante tudo o que disseres, para mim não tem valor nenhum, sabes porquê? VOZ DE BURRO NÃO CHEGA AO CÉU, e quando o burro é velho pior. Claro que tu não sabes, mas um homem de 74 anos, mesmo desdentado, é infinitamente mais novo que um burro de 43 ou 44 anos, e, quando o burro já não tem pelo no caco nem miolos, pois saíram-lhe pelas raízes do pelo caído, pior.

Meu Lindo, vou acabar com esta guerra contando-te uma história, que tu até conheces mas não te convém recordar.

No princípio dos anos 90, havia um Sr. Que era Comandante de uma corporação de Bombeiros que tinha um subordinado em que depositava total confiança; era o seu homem de mão, era o seu confidente.

Nesse tempo também havia um homem que pertencia ao conselho fiscal da associação de bombeiros à qual pertencia a dita corporação.

Um dia o Comandante deu uma ordem ao seu homem de confiança e ele não a acatou. Caiu o Carmo e a Trindade; o Comandante participou do seu subordinado e este foi punido; gerou-se uma onda de solidariedade para com o bombeiro e tentou-se por em causa o comando do tal Comandante. Sabes que era o líder? Dou-te uma ajudinha, era o teu mentor político.

Claro que para encostar o Comandante, era preciso o apoio do presidente da direcção e do presidente do concelho fiscal, e o tal líder solicitou-a aos ditos. Sabes qual foi a resposta do presidente da direcção dada em consonância e pela boca do presidente do concelho fiscal?

Claro que sabes, não te convém recordar não é? Mas dando-te o benefício da dúvida por um possível esquecimento, aí vai a resposta dada ao tal líder.

Meu caro amigo diga-me:

- O Sr. Comandante é Incompetente? Resposta, não.

- O Sr. Comandante praticou actos que pusessem em causa o bom nome da associação? Resposta não.

- O Sr. Comandante alguma vez pôs em causa a ética e a disciplina da corporação? Resposta não.

Meu caro amigo, um comando nunca se põe em causa a não ser que estes ou outros pressupostos estejam em causa. Como não estão, não conte com o nosso apoio.

É tu o que fizeste? Puseste em causa uma liderança; tinhas o direito de o fazeres, não concordar é natural, mas quando se põe em causa e não se concorda, há um caminho honroso a seguir, demitir-se do cargo.

Mas tu não tens honra, esperaste que a líder se demitisse para ocupares o lugar dele, és mesmo asno.

Pequenino fiz umas pesquizas sobre ti, tens uma rica folha de serviço.

É uma pena não tens nada de jeito, tens apenas pai.

Sabes porque escrevo Comandante com letra maiúscula? Claro que não sabes.

Zé do Cobre.    

UMA CANÇÂO DOLENTE

                                        

 

                        Maio Vermelho foi convidado para o jantar comemorativo do terceiro ano de mandato do actual Presidente da Câmara

                         Já cheguei tarde, pois a hora manja foi marcada para as vinte horas e já eram quase vinte e duas

                        Com alguma dificuldade estacionei o carro junto do edifício dos Paços do concelho, quando me dirigia para o restaurante “ os Antónios” ouço o gemido de uma guitarra; aproximei-me desenfiado,e, o que os meus olhos viram!

                       O Pequenino tocava guitarra, tocava era é como quem diz, arranhava as cordas e com pranto de meter dó cantava

                                     As saudades que eu já tinha

                                      Da minha velha vaquinha

                                      Tão bonita quanto eu.

                                      Oh como é bom mamar

                                      No confortável segundo andar

                                      A contar vindo do Ceu.

                                      Acreditei naquele sujeito

                                      Insultei camaradas a eito

                                      Agora quem se lixa sou eu.

                                      Pudesse eu voltar atrás

                                      Dava um murro no capataz

                                      Recuperava o que era meu.

                 Fui à minha vida, o pequenino lá continuou a lancinante canção de arrependimento, conversando comos meus botões disse cá para o je. Quem te manda tocar violão se torta tens a mão.

Maio Vermelho-                                 

 

 

 

 

 

 

                                      

 

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub